08/06/2018
Trabalhadores suspendem acampamento por 15 dias para tentar acordo com representantes de empresas
Segundo o Prof. Luizmar Neves, que acompanhou o movimento, haverá duas reuniões dentro desse período de 15 dias. O caso se arrasta desde que a prefeitura, na época comandada por Mauro Nazif (PSB), resolveu romper o contrato com o antigo consórcio.
Os ex-funcionários das empresas Três Marias e Rio Madeira que formavam o antigo consórcio do transporte coletivo da capital suspenderam na tarde desta sexta-feira (08) o acampamento montado nos arredores da Justiça do Trabalho desde a última terça-feira (05).

Segundo o Prof. Luizmar Neves, que acompanhou o movimento, haverá duas reuniões dentro desse período de 15 dias.

“Na próxima sexta-feira nós teremos uma reunião com um dos representantes da empresa Três Marias e também dentro desse período vamos ter outra reunião para tentar um acordo”, afirmou à reportagem do Notícias RO o Prof. Luizmar Neves.

O Jornal Notícias RO também apurou que durante a audiência, que aconteceu hoje, dois terrenos teriam sido utilizado como garantia do pagamento dos direitos trabalhistas, porém, apenas aqueles que foram funcionários da Três Marias, a proposta foi negada pelo Juiz que entendeu que um acordo deve atingir todos os trabalhadores.

De acordo com o Prof. Luizmar Neves, caso o acordo apresentado dentro desses 15 dias não seja satisfatório, os trabalhadores voltaram a acampar no local.

“Já andamos bastante na causa, a suspensão é temporária, vamos aguardar essa proposta de acordo, se ela não for boa para todos os trabalhadores nós vamos voltar a acampar aqui por tempo indeterminado”, afirmou ao Notícias RO.


+Notícias

Em protesto, trabalhadores montam acampamento na Justiça do Trabalho para garantir andamento rápido de processo sobre rescisão

Para garantir andamento rápido de processo sobre rescisão, trabalhadores prometem grande manifestação


Trabalhadores do antigo consórcio do transporte coletivo de Porto Velho continuam sem receber direitos trabalhistas

O acampamento, como forma de manifestação pacífica, foi aprovado na semana passada pelos mais de 800 trabalhadores que até hoje não receberam um real dos direitos trabalhistas.

O caso se arrasta desde que a prefeitura, na época comandada por Mauro Nazif (PSB), resolveu romper o contrato com o antigo consórcio. Desde então os trabalhadores lutam na justiça para receber seus direitos, numa questão que vai entrado para o terceiro ano sem nenhuma resposta concreta.

O Jornal Notícias RO tentou contato com a Justiça do Trabalho e com os representantes das empresas, mas não obtivemos resposta.






 

Fonte: Redação Notícias RO