24/04/2018
Policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar terão apoio de drones em ações ostensivas em Porto Velho
Segundo o comandante Rone Herton Dantas de Freitas, o projeto foi uma ideia que surgiu a partir da necessidade de apoio, em determinadas situações, da aeronave da PM.
Uma inovação promete dar mais qualidade e precisão ao policiamento ostensivo da equipe do 5º Batalhão de Polícia Militar (BPM), em Porto Velho: a utilização de drones durante ações policiais específicas de segurança. Três equipamentos foram adquiridos pelo BPM, cada uma com três baterias reservas, em um investimento de R$ 30 mil.

Segundo o comandante Rone Herton Dantas de Freitas, o projeto foi uma ideia que surgiu a partir da necessidade de apoio, em determinadas situações, da aeronave da PM. “Em áreas de reintegração de posse ou quadrilhas agindo em locais de difícil acesso sempre precisamos desse apoio. Com o drone é possível ter uma visão ampla do lugar, no caso de reintegração, que geralmente gera conflito, ou registrar a ação de fuga, localizar os acusados, fazer o cerco, enfim. Também teremos mais respaldo para as nossas ações, já as imagens ficam salvas e podemos anexar ao boletim”, explica o oficial.

O comandante Herton diz que o equipamento já é usado em outros estados brasileiros, dando o suporte para ações pertinentes, como o Rio de Janeiro, São Paula e Pará. “Três equipes do 5º BPM receberão o treinamento: o pessoal da Força Tática, da Equipe de Operações, e Núcleo de Polícia Comunitária. Aproximadamente 15 dias serão dedicados ao aprendizado técnico de manuseio do drone para cada equipe. Já conseguimos usar o aparelho em três ações, como forma de aula prática para a turma iniciante, que já há quase duas semanas está em treinamento”, acrescenta.

Para serem operados de forma regular, os drones são homologados na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) – por possuírem transmissores de radiofrequência, e autorizados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), além da Aeronáutica. Os equipamentos alcançam altura de até 500 metros, mas por questão de segurança a polícia utiliza o máximo de 120 metros de altura. Como as baterias tem tempo curto de carga – média de 20 minutos, a aquisição já inclui três baterias reservas para a necessidade de troca em ações de maior duração.





 

Fonte: Vanessa Farias. Foto: Marcelo Gladson