08/03/2018
Governo não apresenta propostas a grevistas e professores seguem mobilizados em RO
Os educadores pararam de dar aula desde 21 de feveriro. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sintero), nenhuma proposta foi apresentada pelo secretário estadual de Educação, Valdo Alves.
A reunião entre os professores estaduais e membros do governo de Rondônia terminou sem acordo nesta quarta-feira (7), em Porto Velho. Os educadores pararam de dar aula desde 21 de feveriro. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sintero), nenhuma proposta foi apresentada pelo secretário estadual de Educação, Valdo Alves.

Sem resposta satisfatória para as reivindicações, professores da capital e do interior seguem mobilizados em Porto Velho.

Uma nova reunião com o governo foi agendada para a próxima sexta-feira (9). Nesta quinta-feira (8), os professores participam de um ato em alusão ao Dia Internacional da Mulher, na sede do sindicato.

A Seduc explicou que a secretaria realiza um estudo para avaliar os impactos do reajuste aos professores na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O levantamento será repassado à Mesa de Negociação Permanente (Menp).

Ainda segundo a secretaria, das 498 escolas no estado, 42% são afetadas pelo movimento grevista. Algumas das unidades tiveram as aulas comprometidas por completo e outras estão funcionando parcialmente, com número reduzido de professores.

Apoio dos deputados

A Assembleia Legislativa divulgou nota, nesta quarta-feira, explicando que o secretário estadual de Educação, Valdo Alves, reconheceu que o governo investiu na melhoria da estrutura das escolas e que a valorização dos trabalhadores da educação precisa seguir o mesmo caminho.

Para buscar o entendimento, segundo a ALE, a Comissão de Educação e Cultura da Assembleia convocou, ainda para esta semana, uma reunião com membros da Mesa de Negociação Permanente (Menp) para discutir uma saída para o impasse.

No começo de março, a Justiça estadual determinou a retomada das aulas pelos professores e a suspensão da greve.






 

Fonte: Toni Francis - G1 RO